sexta-feira, 23 de junho de 2017

Homenagem à Angélica Villela Santos de Taubaté/SP


Angélica dedicou sua vida ao magistério, à trova e à poesia. 
Participou de quase todas as edições da Trova-legenda. 
Fique com Deus irmã de sonhos!


Velha ponte de madeira
ligando a roça à cidade,
foi a passagem primeira
do meu sonho à realidade.

As bandeiras tremulando,
e pelo vento abraçadas,
a todos nós vão mostrando
as nações sempre aliadas.

Na primaveril paisagem,
enfeitando a natureza,
vemos de Deus a mensagem:
"sempre unidos, na beleza!"

A pipa que a nossa infância
faz ao mais alto chegar,
representa a nossa ânsia
de nossa vida elevar.

Às crianças ensinemos
que a nossa união é que traz
a este mundo em que vivemos,
a grande benção da paz!

Junto à bola, uma criança,
na pobreza do sertão,
sonha e acalenta a esperança
de um dia ser campeão...

Com amor sempre presente
e a força da educação,
livraremos o carente
dos grilhões da exploração!

Um bom livro nos envolve,
dá prazer e distração;
é um amigo que dissolve
o amargor da solidão!

Um barquinho vai singrando
numa paisagem formosa
e consigo vai levando
os meus sonhos cor-de-rosa...

Devagar, mas com prazer, 
o homem, sem ficar a esmo,
usa o cinzel do Saber,
vai modelando a si mesmo.

Quando eu lembro e se avantaja
minha vida de criança,
só a saudade viaja
nos trens da minha lembrança...

Crianças são como flores
que enfeitam na Primavera.
São buquês de várias cores
que a natureza libera.

Céu e mata refletindo
nas águas claras de um rio,
a nós estão exibindo
um meio-ambiente sadio!

A lua cheia é artista
que em sombras pinta uma tela
de beleza nunca vista
e só mostrada por ela.

Buscando a Felicidade
ao longo dos dias meus,
sigo a seta da Verdade,
que indica o reino de Deus!

Com versos a se espalharem,
eu subo morros, ao léu,
para meus sonhos se alçarem
até as nuvens do céu!



sexta-feira, 10 de março de 2017

Ovário

Com esta poesia alcancei o 100º. prêmio literário:



Ovário

Divido o ventre
com a semente
que se planta
e vivifica.

O óvulo concluso
cresce vagarosamente
mas o brilho no olhar
me identifica.

Afetos ao feto
e delicadamente
uma nova aventura
se descodifica.

Alguém me habita
homem, mulher
ou o que vier.
Ser mãe reabilita.


Eliana Ruiz Jimenez

9º. Concurso Literário Conto & Poesia  SINERGIA  FLORIANÓPOLIS
http://www.sinergia.org.br/paginas/noticia/100

Moscas e gaivotas


Um siri já não se esconde
em seu refúgio
e não mostra mais as pinças
para intimidar o inimigo.
Moscas o sobrevoam
enquanto aguarda
semi-imóvel
seus momentos finais.
Ao longe, o céu azul
se enche de gaivotas
rodeando um trecho do mar.
Um cardume
em águas rasas
vai virar manjar.
Moscas e gaivotas
sobrevoando as presas.
É a vida espreitando a morte
para se perpetuar.

Eliana Ruiz Jimenez

9º. Concurso Literário Conto & Poesia  SINERGIA  FLORIANÓPOLIS
http://www.sinergia.org.br/paginas/noticia/100


sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Tempo que resta





TEMPO QUE RESTA

O tempo é o canibal das horas.
Numa engolida se vão os dias,
as semanas vão virando refeição
e nos meses mastigados
revezam-se as estações
todas misturadas.
As prateleiras se enchem de panetones
e o leão morde meu ganha-pão
seguidamente.
Vou sendo devorada
sem ritual, sem festa
e a cada respirada
expiro minha existência
modesta.
A vida é tempo que escoa,
tempo que voa,
tempo que resta.

Eliana Ruiz Jimenez
3. Lugar no concurso
Novas Vozes da Poesia - BC - 2016

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

5º Prêmio Literário Sérgio Farina - São Leopoldo - RS



CORDÃO ETERNO

No colo, o filho
nas mãos, o livro:
leitura.
Olhinhos brilhantes
sorriso aberto
dedinhos
tocando figuras:
curiosidade.
A trama se inunda
de porquês.
A mãe explica
floreia
recria
recreio
prepara o caminho
de um novo leitor.
O pequeno herói
das fábulas e aventuras
se rende ao sono.
Na cama,
o aconchego.
O livro aguarda
no aparador.
No dia seguinte
um novo ritual
que para sempre
será saudade.
Mãe e filho
cordão umbilical
de leitura e amor.


Eliana Ruiz Jimenez





Selecionado para Antologia: http://www.saoleopoldo.rs.gov.br/?titulo=Not%EDcias&template=conteudo&categoria=2&codigoCategoria=2&idConteudo=2312&idNoticia=17986&tipoConteudo=INCLUDE_MOSTRA_NOTICIAS

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

32. FESTIVAL POÉTICO DO SESC/PR

 Vencedor na categoria comerciário


Vida verde

Araucárias
não baixam os braços​.​
Preferem ignorar
​a existência das motosserras
e reverenciam o céu
​pela seiva bruta
que ​lhes ​percorre​ o lenho.

Nas pequenas reservas
​de ​Mata ​Atlântica​
aroeiras
​orquídeas
​e erva mate
dividem sol​o e sol​.

Q​uando a tarde se recolhe
já ​desbotada de luz e cor
​o crepúsculo desabotoa a noite
aquietando os campos.

​Dormem os ipês
​contendo a brotação
​para acordarem
​no final do inverno
​esperando exibir
sua exuberância dourada
​em matas ainda
vivas
verdes
e preservadas.

Eliana Ruiz Jimenez

http://www.sescpr.com.br/2016/09/sesc-pr-divulga-contos-selecionados-no-32o-festival-poetico/

domingo, 11 de setembro de 2016

POEMAS NO ÔNIBUS E NO TREM - PORTO ALEGRE 2016


Pela terceira vez consecutiva um poema  de minha autoria vai circular 
por um ano no transporte público de Porto Alegre!


PALPITAÇÃO

 Na tomografia
meu coração não é
o desenho que eu fazia
decorado com flechas
e monogramas
ignorando a anatomia.

Meu coração é músculo
batedor
que vai em frente
tropica
e continuamente se estica
à procura do amor.


Eliana Ruiz Jimenez


http://coordenacaodolivro.blogspot.com.br/2016/09/poemas-selecionados-pelo-concurso.html